segunda-feira, 5 de março de 2012

Das pegadas que largo no caminho
Do perfume que fica para trás
Das ideias que se perdem
E dos pássaros que as espantam no ar

- Nada restou em seu lugar -
Nem frio, nem calor.
Do amor nada restou mais
Que 'inda poderia emocionar.

* 2 de fevereiro de 2008.

Um comentário:

Luís Gustavo Brito Dias disse...

- ah, restou sim, viu: este poema.

parabéns, cristine.
grande abraço.