segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

A carne flamejante
Dolorida do sol
Batida feito bife
Finalmente
Sente o bálsamo
Do desejo realizado
A chama que arde
Ofertada aos santos
Traz a cor boa:
Laranja

Na frente
Uma entidade indiana,
Resquícios de sua [n]atividade
Pelo quarto,
Descanso.

Um comentário:

.Leonardo B. disse...

[a nota de música é como a palavra que dói no corpo; sangra enquanto renasce, grita para sobreviver... e com calma, voa como a águia que procura o equilibrio do sopro da vida e vento]

um imenso abraço, Cristine
que de quatro se faz dois braços

Leonardo B.