sexta-feira, 23 de novembro de 2007

Eu gosto quando chove
Gosto do modo como levo a vida
Gosto de olhar pra você
Gosto quando me olha
Gosto do jeito que me olha
E sinto seus olhos pousando em mim, a todo momento
Gosto da boca
Gosto do gesto
Gosto do gosto, que ainda nem provei
Caio por aí, em qualquer calçada
Arrasto minha carcaça pelo asfalto
Ilusões são tão doces...
O amanhã é que dirá...

Um comentário:

Lou disse...

é bom ficar em paz ao som da chuva. talvez, se acreditar, com muita força mesmo, ela leve embora na correnteza os tons mais escuros do cinza.

adoro vc.

:)